Feriadão, Consultor, Improviso, Aspirador e Blogue

Feriadão  “Laços fora, soldados! Pelo meu sangue, pela minha honra, pelo meu Deus, juro fazer a Independência do Brasil” teria dito o príncipe-regente dom Pedro às margens do riacho Ipiranga no dia 7 de setembro de 1822. Tudo inventado pela historiografia patriótica.

Testemunha ocular e olfativa da cena, o padre Belchior Pinheiro contou que o príncipe-regente, depois Pedro I do Brasil e Pedro IV de Portugal, vinha de quebrar o corpo às margens do riacho Ipiranga agoniado por uma disenteria com dores que apanhara em Santos.

Portanto, o país nasceu numa cagada que explica e justifica o quadro que aí está com os açougueiros da JBS enrolados numa gravação de quatro horas (!) envolvendo até ministros do STF e outros figurões da República.

De cambulhada, novo feriadão: 7, 8, 9 e 10 de setembro. Tristes trópicos!

 

Consultor – Conheço-o pessoalmente, um único encontro numa festa, é cavalheiro simpático e educado. Tem sido apresentado como “consultor”, que ou aquele que dá conselho, sem que se explique a natureza dos conselhos que dá.

Notabilizou-se, faz tempo, quando comeu a primeira-dama de um país grande e bobo. Hoje, consultor supimpa deve ser aquele que aconselha na França de Emmanuel Macron, casado com Brigitte Marie-Claude Trogneux, senhora de 64 aninhos.

 

Improviso – Não lhe digo o nome porque é moça linda, de bela voz, que trabalha honestamente como apresentadora de uma de nossas tevês a cabo. Acontece que improviso é o diabo. Saudoso amigo inteligentíssimo, cultíssimo, orador brilhante, figura solar da intelligentsia brasileira, contava do seu discurso de improviso ao inaugurar, como secretário de Educação do Estado de Minas Gerais, um seminário rural.

Dia lindo, autoridades constituídas, gente à beça, meu amigo deitou e rolou antes de dizer de sua alegria pela inauguração “deste cemitério rural”.

A moça linda improvisou ao relatar, dia 2 de novembro, a cerimônia em que uma família, depois de perder um parente atropelado, reuniu populares no local do acidente para advertir sobre os riscos de circular naquele trecho.

E a jornalista improvisou: “A família quer evitar que essa tragédia não se repita”.

 

Aspirador – Lava-jato envolve a limpeza de objeto de valor, veículo automotor que pode custar centenas de milhares de reais, como graúdos são os peixes enredados na operação homônima. É triste constatar que o Brasil também precisa de uma Operação Aspirador para limpar o pó da corrupção em todos os níveis.

Ainda agora, pela prisão dos traficantes que “exportavam” toneladas de cocaína pura para a Europa, ficamos sabendo que a Polícia Federal apreendeu, num ano, seis mil quilos de cocaína pura, no valor aproximado de meio bilhão de reais.

As quadrilhas empregam peixinhos miúdos, porteiros, faxineiros, motoristas, vigias, controladores de câmeras, iluminadores e outros funcionários subalternos do Porto de Santos, e são controladas diretamente dos presídios pelos chefões das organizações criminosas.

 

Blogue – Amanhã, feriado nacional, o caro e preclaro leitor merece folga para curtir a data livre destas bloguices.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *