Segurança, Armas brancas e Previsão

Segurança? – Na selvageria do Maracanã, quando cerca de 10 mil criaturas, vestindo camisas do Flamengo, promoveram aquele quebra-quebra, muitos comentaristas esportivos culparam a PM pela “falta de segurança”. A mesma PM-RJ que já teve 132 homens mortos a tiros em 2017 e tem salários miseráveis pagos com atraso.

No Rio, no Brasil, nos Estados Unidos, na Federação Russa, no Oriente Médio, nos vizinhos do seu condomínio e no resto do planeta Terra o que se vê é a falência da humanidade.

Há pontos de brilho e de esperança, mas a regra é a barbárie. E o nosso belo IBGE consegue dourar a pílula descobrindo um método de cálculo segundo o qual 12 milhões de brasileiros são analfabetos. Só 12 milhões? E os outros 108 milhões? Sim, porque no mínimo 120 milhões não sabem ler nem escrever, a começar por muitos jornalistas.

Vou mais longe. A PUC do Rio é considerada uma das melhores universidades brasileiras. Ipso facto, seu curso de Engenharia é dos melhores do país. Mecânica dos solos era matéria ensinada num dos últimos períodos do curso aos estudantes quase diplomados. O professor Braz Alberto Gravina, que ensinava aquela matéria, desconfiou das atitudes de alguns dos seus alunos e pediu aos mestres da área psi que submetessem os engenheirandos a um teste de sanidade mental. Resultado: 3% (três por cento!) dos rapazes e moças diplomados em Engenharia pela PUC-RJ eram… débeis mentais!

Três entre cada 100 engenheirandos sofriam de alguma forma de retardamento mental, de capacidade mental reduzida, debilidade mental, hipofrenia, oligofrenia, oligergasia – defeito intelectual existente desde o nascimento sem doença cerebral orgânica demonstrada, ou causa pré-natal conhecida.

Por aí, dá para imaginar a porcentagem de DMs entre os formados nas faculdades que não têm a importância da PUC-RJ.

 

Armas brancas – Aumentou em Minas o número de ataques com armas brancas, e arma branca, sabe o leitor, é qualquer arma constituída essencialmente de uma lâmina metálica que se destina a cortar ou perfurar, usada geralmente na luta corpo a corpo ou na cozinha, como também durante as refeições.

Arma de fogo e munição custam algum dinheiro, enquanto arma branca pode ser encontrada na cozinha mais humilde. O mineiro sempre foi forreta, mas estava dispensado de exagerar.

 

Previsão – A meteorologia exagerou na dose da previsão do tempo ao inventar a “baixa previsibilidade” para a Zona da Mata de Minas neste verão. Pelos cálculos de respeitado meteorologista mineiro, podemos ter chuvas abaixo da média, dentro da média ou acima da média histórica. E uma única certeza: na primavera que acabou dia 21 de dezembro as chuvas não alcançaram a média.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *