Fatos

Fatos – “Especialista em gerenciamento de riscos” é o nome da ocupação dos cavalheiros consultados pelos jornalistas sempre que há um desastre como o dos meninos presos nas cavernas da Tailândia ou os temporais que já mataram mais de 100 pessoas no Japão, obrigando cerca de dois milhões a sair de suas casas. Negócio tão sério que envolve 70 mil pessoas nas operações de salvamento.

Muito me espanta que, até hoje, ninguém se tenha lembrado de consultar os especialistas em gerenciamento de riscos nos noivados e nos casamentos heterossexuais. Sim, nos casamentos de homem com mulher, que ainda existem.

Expostos a situações de extremo risco, são geralmente assistidos por psicólogos, psicanalistas e terapeutas de casais, com os resultados que se veem por aí.

Por outro lado, talvez pela identidade de gênero, casamentos homo duram dezenas de anos. O ator Luiz Fernando Guimarães fala de seu casamento com um rapaz de ótima família há 26 anos, enquanto o jornalista Arthur Xexéo vive união parecida também próxima dos 30 anos.

E a tevê brasileira dividiu sua programação de segunda-feira, 9 de julho, entre Lula da Silva e a caverna do Reino da Tailândia superiormente conduzido pelo rei Maha Vajiralongkorn.

O mundo inteiro torce pelo resgate dos 12 meninos e do cavalheiro adulto que os acompanha, um ex-monge budista, que não é o técnico do time infantojuvenil. De outra parte, o mundo civilizado é a favor da permanência de Lula da Silva atrás das grades.

Ontem recebi telefonema de uma jovem que não vejo há muitíssimos anos. Portanto, deixou de ser jovem e me disse que está ótima de saúde, estudando informática e acaba de voltar com o marido de uma visita ao Japão. Marido que a levou ao altar há mais de meio século, exceção à regra dos casamentos heterossexuais que se esboroam.

Dei notícias minhas, que a boa amiga achou exageradas, mas refletem a verdade.